Fundado em 16 de abril de 1932

...Macaé, ano I, Nº 25 - 14 a 21 de julho de 2006
Novo mercado virtual. São mais de 800.000 produtos com os melhores preços da praça. Você compra e recebe em casa. Visite o site www.mercadoprodutos.com
Colunistas
Adriano Benayon
Almir da Silva Lima
Amanda Paiva
Ana Cristina Gama
Ana Lúcia Rabello
Andrei Bastos
Angela Maria
Antonio R. Nóbrega
Bruno Yuri
Cadidja Lima
Ceci Juruá
Ciro Campelo
Cris Passinato
Cristina Eringer
Cristina Vieira
Daniel Felipe Matos
David Hugo Peczenik
Denise Barreto
Denise Calixto
Fabiana Madruga
Fernando Cruz
Giulianna Medeiros
Helena Santos
Jeanne Dantas
João Martins
José Milbs
Juliana Nunes
Juliane Veríssimo
Langstain Almeida
Leilane Castro
Letízia Borges
Lidiane Sato
Lúcia Vaccari
Luciana Chagas
Lúcio Aguiar
Manoel Barbosa Filho
Marcel Silvano
Maria Cristina Lacerda
Mariana Gama Soares
Mariana Rotili
Mariane Marx
Marly Santiago
Milton Nunes Filho
Moctezuma Pinto
Monique Cruz
Pollyanna Gomes
Rafael Cabral
Reinaldo M. Brandão
Renata Celeste
Rodrigo Costa
Roque Weschenfelder
Rosana Campos
Rui Nogueira
Thadeu Rabelo
Thaís Velloso
Valéria C. Fernandes
Vanessa Gonçalves
Vera Lúcia Gama
A morte tem cheiro?

Letízia Borges*

Ainda estou no hospital, acabei de sair da aula de cirurgia e apesar do tema, o professor nos contou sobre o cheiro que precede a morte. Raramente alguns professores quebram o silêncio e falam sobre ela. Sentimos a morte todos os dias mas não se fala nela. Vemos a morte, mas é como se ninguém a visse. Só não sabia que ela, além de todas as dores que traz, mandasse um aviso: um cheiro.

Meu professor já o sentiu algumas vezes pelo corredor antes da morte de alguns pacientes. Deu-me um frio na barriga, é mesmo de arrepiar. A morte tem cheiro? Já não bastava termos que vê-la em cada corredor, senti-la em cada sala, temê-la em cada paciente(por ele ou junto dele)?

Ao decidirmos fazer medicina temos que lidar com a morte todos os dias e portanto, cada um desenvolve sua defesa. Alguns nasceram com dons e aos poucos os vão reprimindo porque a pressão para ter de ser “controlado” é enorme. Uns vão perdendo a alma, se é que já tiveram uma e outros deixam a alma virar uma rocha, ou seja, aos olhos de todos é uma fortaleza, dura como uma pedra, mas na verdade é só uma pose, todos os dias está sendo erodida, mesmo que imperceptivelmente. Não é fácil continuar sensível. Não é fácil sentir “cheiros”.

De acordo com Sartre a morte tira o sentido da vida, ou seja, para ele a morte é a "nadificação dos nossos projetos, é a certeza de que um ‘nada’ total nos espera", enquanto Heidegger acreditava que com a morte o homem conquista a totalidade da sua vida. Acredito que aqui no Hospital, neste outro mundo onde a sociedade esconde seus medos e deformidades corporais, a morte muda a vida de muitas pessoas. Se não deixa o corpo e toma a alma, ela muda a alma e recupera o corpo. Aqui estabelecemos vínculos que seriam impossíveis de serem feitos fora desse mundo estranho, mas também sentimos dores inimagináveis. A morte nos faz ter medo do envolvimento com o paciente, mas por outro lado ela aprofunda os relacionamentos na medida em que no hospital estão todos lutando contra ela.

A morte seria tão cruel a ponto de mandar um aviso? Depende do modo como a interpretamos. Talvez ela exista como as contrações uterinas que indicam o início da vida.

Tenho medo de sentir o cheiro da morte(mesmo isso significando que ainda resta sensibilidade dentro de mim). Meu professor falou que é cheiro de flor. Um paradoxo, não?

O cheiro da morte
(escrito pelo meu professor)

Uma sensação,
Intuição ou indução?
Não é fácil definir
Muito mais difícil é sentir
Percepção involuntária
com conseqüências não imagináveis,
Às vezes me sinto paralisado
de mãos e pés atados,
Outras vezes libertado
com forças para tentar mudar o óbvio. O êxito letal.

"Aquilo que verdadeiramente é mórbido não é falar da morte, mas nada dizer acerca dela, como hoje sucede. Ninguém está tão neurótico como aquele que considera ser neurótico decidir-se a pensar sobre o seu próprio fim".
(Philippe Ariès)

*letiziaborges@yahoo.com.br


Veja outros artigos de Letizia Borges
Acontecências
Acontecências II
Água
Amazônia
Bandido Negro
Cartas do Rebate
Cinema
Classificados
Construção civil
Contos
Cotidiano
Crônicas
Culinária
Cultura
Curiosidades
Direito do Consumidor
Direito do Trabalho
Educação
Educação artística
Empregos & Currículos
Entretenimento
Escaladas
Escultura em sabonete
Esportes
Estudante/Ensino
Festival de Coros
Fotografia
História do Theatro
Índios
Justiça
Liga Operária
Livros
Luta armada
Materialização
Meio ambiente
Movimento hippie
Mulheres da História
Música
Nossas ilhas
Nossos poetas
Opus Dei
Palavra de Filósofo
Pensamentos
Petrobrás/Petróleo
Piadas Brasil/Portugal
Poemas
Poesia
Posta-Restante
Procuras emprego?
Prova de amor
Rafting / Canoar
Recadinhos do Rebate
Reforma Agrária
Religião
Saúde
Sexualidade feminina
Telefones úteis
Umbanda
Voz do povo

Configuração mínima: 800x600. Recomendamos o Mozilla Firefox. Clique aqui para baixar a versão 1.5
Criação e manutenção Artimanha