Fundado em 16 de abril de 1932

...Macaé, ano I, Nº 30 - 18 a 25 de agosto de 2006
Não perca o Caderno R. Cultura, Educação e Entretenimento. Exclusivo para O Rebate on Line
Colunistas
Adriano Benayon
Almir da Silva Lima
Ana Cristina Gama
Andrei Bastos
Angela Maria
Antonio R. Nóbrega
Carolina Oliveira
Ceci Juruá
Ciro Campelo
Cristina Vieira
Daniel Felipe Matos
Denise Barreto
Denise Calixto
Edson Monteiro
Francisco C. Arduim
Fabiana Madruga
Giulianna Medeiros
José Milbs
Langstain Almeida
Leandro Domingues
Letízia Borges
Lúcio Aguiar
Manoel Barbosa Filho
Marcel Silvano
Mariana Gama Soares
Marly Santiago
Milton Nunes Filho
Moctezuma Pinto
Monique Cruz
Patrick Francisco
Rodrigo Costa
Rui Nogueira
Vanessa Gonçalves
Vera Lúcia Gama
 
Ache seu imóvel!

Lucro do UOL no 2 o trimestre cai 37% em relação ao mesmo período do ano passado

Leandro Pinheiro Domingues

O Portal e provedor de acesso pago à Internet UOL divulgou na quarta-feira lucro líquido de R$ 20,5 milhões, queda de 37% na comparação como desempenho registrado no mesmo período do ano passado. O balanço foi afetado por diferença no volume de receitas relacionadas a recuperação de provisões.

A companhia lucrou no primeiro semestre R$ 41 Milhões, queda de 43% em relação ao mesmo período de 2005, conforme comunicado ao mercado "foi devido ao impacto positivo da variação cambial sobre as debêntures no segundo trimestre de 2005 e pela apropriação da despesa do imposto de renda e contribuição social a partir do primeiro trimestre de 2006".

A empresa obteve lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) de R$ 24,6 milhões, o Ebitda cresceu 53% no segundo trimestre na comparação com o registrado no mesmo período de 2005. No segundo, a geração de caixa subiu 7%, a R$ 62,6 milhões, com uma margem de 26%.

A base de assinantes pagantes no final de junho cresceu 6% na comparação com um ano antes, para 1,5milhões, dos quais 697 mil usam banda larga. O volume de assinantes de acesso rápido à Web aumentou 37% sobre o segundo trimestre de 2005. Puxado por promoção nacional que ofereceu modem sem custo para usuários.

A receita com assinaturas foi de R$ 120,1 milhões no trimestre encerrado em julho, alta de 7% na comparação com um ano antes. No semestre, a companhia faturou com venda de assinaturas R$ 237 milhões, uma expansão de 6% sobre 2005.

O faturamento com publicidade e outros serviços foi de R$ 28,5 milhões entre abril e junho, gerando um resultado de R$ 67,6 milhões nos primeiros seis meses do ano.

A Merrill Lynch divulgou nota afirmando que as linhas de receita, Ebitda e lucro por ação vieram dentro do esperado.

Fonte: Reuters


Fabricante de produtos Nivea cita Brasil como alvo de aquisições

Leandro Pinheiro Domingues

A Beiersdorf, fabricante dos produtos Nivea, na quarta-feira 09/08/2006 que está buscando intensivamente aquisições fora da Alemanha e que está otimista em relação a alcançar suas metas de 2006.

O presidente-excutivo, Thomas-Bernd Quaas, disse em entrevista a um jornal que a companhia estava atualmente procurando aquisições no Brasil, china, Rússia, Estados Unidos e Índia, mas ainda não tinha encontrado nada de seu interesse por enquanto.

Quass, disse que o lucro operacional do acumulado do ano, ajustado aos custos e deu programa de reestruturação, vai crescer mais rápido que as vendas

Fonte: Reuters


Rapidinhas Internacionais

Leandro Pinheiro Domingues

•  A Apple foi notificada pela Nasdaq de que violou regras de registro de suas ações ao atrasar seu balanço trimestral. A Apple, que atribui o atraso à descoberta de irregularidades na concessão de opções de ações, recorreu a um comitê da Nasdaq, e disse suas ações continuarão na bolsa eletrônica até decisão final - o que pode levar vários meses.

•  A Angang, segunda maior siderúrgica da china, anunciou planos de construir uma usina de aço e ferro de US$ 2,8 bilhões no nordeste do país para ampliar sua capacidade.

•  A Michelin , fabricante francesa de pneus, disse que elevará entre 6% e 8% os preços que cobra de montadores para compensar a alta do petróleo e outras matérias-primas. Só no primeiro semestre, a borracha subiu 70%.

•  A Thyssenkrupp, conglomerado alemão, disse que construirá uma usina de US$ 2,9 bilhões nos EUA para processar aço do Brasil, se sua tentativa de comprar a siderúrgica canadense Dofasco, da Arcelor, não der certo. A empresa disse também que negocia vender uma grande fatia de sua subsidiária americana de autopeças.

•  A Boeing, dos EUA, vai parar de produzir em conjunto com a estatal russa VSMPO-Avisma peças de titânio para o setor. A nova empresa suprirá US$ 18 bilhões em peças para o novo avião 787 Dreamliner da Boeing.

•  Thomas Coughlin, ex-vice-presidente do conselho do Wal-Mart, dos EUA, foi sentenciado a 27 meses de prisão domiciliar por crimes de fraude e evasão fiscal. Coughlin deixou a Wal-Mart há 18 meses, acusado de desviar US$ 500.000 da empresa.

•  A Intrawest, operadora de hotéis e resorts, fechou acordo para ser adquirida pela empresa de participações Fortress, dos EUA, por US$ 1,8 bilhões.

•  O PIB do Japão, cresceu só 0,2% no segundo trimestre em relação ao primeiro, o que segundo economistas reflete grandes cortes nos gastos do governo.

•  A Telmex, estuda ampliar ainda mais sua participação na Portugal Telecom, disse um porta-voz da maior telefônica do México, que é dona da Embratel. Na sexta-feira 11/08/2006, a Telmex anunciou que pagou US$ 487 milhões por 3,4% da Portugal Telecom.

•  A Venezuela planeja construir uma fábrica de autopeças de US$ 222,3 milhões em conjunto com a Húngara Ples Rt, informou o governo. A Ples Rt terá 70% da nova empresa.

•  A filial colombiana do banco espanhol BBVA fará duas aquisições "significativas" entre setembro e dezembro, disse seu diretos-presidente Luís Juango, sem revelar detalhes.

•  A América Móvil, do México, disse que planeja emitir títulos de dívida em mercados latino-americanos para financiar sua expansão. A maior operadora de celular da América Latina, dona da Claro, quer aumentar sua base de assinantes em 12% este ano.

•  O Davivienda, quarto maior banco da Colômbia, previu que seu lucro líquido cairá 44% este ano, para US$ 59 milhões, devido a um forte declínio no retorno e seus investimentos.

Fonte: The Wall Street Journal Americas - Publicação Dow Jones.


O sudeste é maior vitrine profissional do país. Se você quiser fazer carreira na região, é bom estar preparado para encarar a competitividade.

Leandro Pinheiro Domingues

Se tem uma coisa que chama a atenção de quem está pensando em crescer profissionalmente no Sudeste é a diversidade. Das 100 melhores cidades para trabalhar no país, 51 estão na região. Nas capitais São Paulo (1º lugar), Rio de Janeiro (2º lugar), Belo Horizonte (3º lugar) e Vitória (5º lugar) estão as indústrias e as prestadoras de serviços. No interior dos Estados, prevalece a agricultura. Cidades fora dos grandes centros têm ainda outros pontos fortes. Na Bacia de Campos (RJ), está o maior centro produtor de petróleo do Brasil. Nessa região, o destaque vai para Macaé (4º lugar), que pelo segundo ano consecutivo aparece na lista como a melhor cidade entre as não-capitais. Já Duque de Caixas (24º lugar) está ligada, além do petróleo, à metalúrgica, aos setores mobiliários e têxtil. Em Cubatão (8º lugar), que só no ano passado grou 1.500 empregos nas áreas de siderúrgica e fertilizantes.

Segundo o Sr. Alcides Domingues Leite Júnior, professor de economia brasileira da Faculdade Trevisan, em São Paulo "O Sudeste cresceu apoiado em vários Clusters", Clusters são pólos de empresas de um mesmo setor que se unem em busca de um objetivo, como a exportação em maior escala.

Campinas (6º lugar) , em São Paulo, é um bom exemplo de cluster de tecnologia, puxada pela produção da Unicamp, da PUC local, da Universidade Paulista, de incubadores e empresas que se instalaram por ali. "A cidade se tomou referência para outras regiões e passou a atrair executivos", diz o economista Márcio Pochmann, professor do Instituto de Economia da Unicamp. "Há uma multiplicação de postos de trabalho para quem é especialista e, mais ainda, para os que tiveram experências fora do Brasil." O turismo de negócios, por exemplo, impulsionou a hotelaria local, que tem 2.500 quartos. A rede Accor tem cinco hotéis na cidade e nas vizinhas Paulínia e Indaiatuba. Os gerentes que migram para a região ganham entre 4.500 e 8.000 reais, dependendo da quantidade de estrelas de cada prédio.

Macaé, no Rio de Janeiro, é outra cidade que atrai profissionais altamente qualificados e dificilmente abre mão deles, por causa do petróleo. A indústria petroleira é diversificada e tem espaço para muitas pessoas, desde que sejam especialistas em suas áreas, pois esse é um setor extremamente competitivo. "A cidade tem cerca de 5.000 empresas e precisa de pilotos de helicópteros e gente que faz a manutenção em equipamentos importados até executivos estrategistas".

Nem tudo, são flores para quem mora e trabalha no Sudeste. Além da competitividade, a região tem das mais caras cidades do mundo. Segundo recente pesquisa da consultoria Mercer, de São Paulo, especializada em recursos humanos, são elas: São Paulo e Rio de Janeiro. Os salários têm de ser compensados.

AS 25 MELHORES DO SUDESTE

1) São Paulo
2) Rio de Janeiro
3) Belo Horizonte
4) Macaé
5) Vitória
6) Campinas
7) São José dos Campos
8) Cubatão
9) Campos dos Goytacazes
10) Betim
11) Barueri
12) Ribeirão Preto
13) São Carlos
14) Cabo Frio
15) Niterói
16) São Caetano do Sul
17) São Bernardo do Campo
18) Uberlândia
19) Volta Redonda
20) Piracicaba
21) Jundiaí
22) Resende
23) Americana
24) Duque de Caxias
25) Taubaté

TRES SETORES NO MESMO LUGAR

Uma cidade que sintetiza a principal característica do Sudeste, ou seja, a pluralidade de setores, é Betim, que fica a 36 quilômetros de Belo Horizonte (MG). Em maio deste ano, a rede Casas Bahia inaugurou na cidade um centro de distribuição de 15 milhões de reais e 400 funcionários. A refinaria Gabriel Passos, da Petrobras, abriu suas portas na cidade em 1968. A Fiat está instalada lá há 32 anos e tem 18 500 funcionários (metade é terceirizada). Com ela, estão cerca de 260 fornecedores. Para quem faz carreira na cidade, o bom é que um setor independe do outro. Assim, se uma empresa não anda lá muito bem, é possível se escorar na outra.

Fonte: Revista Você S/A.


Veja outros artigos de Leandro Pinheiro Domingues
 

Configuração mínima: 800x600. Recomendamos o Mozilla Firefox. Clique aqui para baixar a versão 1.5
Criação e manutenção Artimanha